Mau Egípcio

Mau Egípcio

História e curiosidades

A história do Mau Egípcio está envolta em lendas e traz com ele uma grande herança. Algo que devemos já dizer é que enquanto a grande maioria das raças de gatos têm como origem inicial o gato selvagem africano, o Mau Egípcio é aquele que mais se assemelha a este.

Este gato era praticamente como um deus para os egípcios na altura das pirâmides. Uma grande prova disso são os murais pintados, em que inúmeras vezes podemos ver este gato pintado nas pirâmides e outras peças ornamentais.

Esta raça sobreviveu ao tempo, e mesmo no Cairo ainda podemos encontrar esta raça nas suas ruas, exactamente no sítio onde surgiu pela primeira vez, o que é bastante interessante.

A marca que têm na testa associavam esta ao escaravelho sagrado, e imediatamente associavam também este gato como descendente dos deuses Rá e Bast. Por isso é que os Egípcios os viam igualmente como descendentes ou encarnações de deuses.

Esta raça passou vários séculos em anonimato, até que nos anos 50 Nathalie Troubetskoy (antiga princesa russa) viu o pêlo maravilhoso do Mau Egípcio. Através de uma fêmea desta raça, voltou a dar força ao Mau.

Posteriormente foi parar aos Estados Unidos, e só bem mais tarde veio parar à Europa. Infelizmente ainda hoje não existem muitos exemplares, apesar de se na Europa estar-se a tentar reproduzir mais Maus Egípcios. Importante saber também que esta raça não é oficial em zonas como a Grã-Bretanha ainda.

Características físicas

Raça de tamanho médio, de aspecto colorido devido às variantes disponíveis e com bons músculos. Dispõe de uma cabeça redonda com orelhas grandes, sempre atentas e bicudas na ponta. Tem olhos grandes e em forma de amêndoa, mas não chegam a ser de estilo oriental.

A cor dos seus olhos varia um pouco. Por norma aceita-se apenas verdes claros, no entanto em gatos até um ano e meio a cor âmbar também é aceite. Depois disso já não se considera que estamos na presença de um Mau Egípcio.

O pêlo desta raça é bastante bonito, com manchas por todo o corpo. Este também é curto, e dependendo da cor o seu pêlo pode ser mais fino ou denso. Por exemplo, um Mau Egípcio prateado tem um pêlo mais denso do que um de cor smoke.

Características psicológicas

Em relação às suas características psicológicas, podemos dizer antes de mais que nem todos conseguem lidar com ele pelos motivos que vamos descrever desde já, mas primeiro vamos aos aspectos positivos do Mau Egípcio.

Ele é um animal bastante “gato” do seu dono. Adora a sua família, inclusive tem uma característica bastante parecida com os cães que é o facto de receber os seus donos à porta quando estes chegam a casa.

Não são muito preguiçosos, pelo que necessitam de donos que tenham algum tempo livre para gastarem com eles. De outra forma pode começar a portar-se mal.

Um aspecto negativo de maior destaque é o facto de ser um gato demasiado territorial. Dizemos “demasiado” pois este aspecto faz com que não gostem de partilhar o seu espaço nem com estranhos nem com outros animais, mesmo que vivem na mesma casa. Só mesmo com os donos.

Cuidados a ter

Felizmente o Mau Egípcio é um animal cheio de saúde que não necessita de grandes cuidados. Uma escovagem regular, uma dieta equilibrada e sem erros e ainda a vacinação em dia é tudo o que precisa para viver. Como vemos, não é por questões de saúde que não existem muitos Maus Egípcios no mundo.

Compártelo en tu red social:
Más en Animais - Gatos:
Aviso legal Contacto Google+ Facebook